segunda-feira, 31 de outubro de 2011

D E S D I T A

Carlos Celso Uchoa Cavalcante (29/outubro/2011)

Faltam-me lágrimas pra chorar meu pranto,
que sendo tanto, todas dissiparam,
na minha face só a dor deixaram
numa tristeza que é meu acalanto.

Tamanho encanto preencheu meus sonhos
na vida metamórfica que tive,
são tantos sonhos que a gente vive,
fantasmagóricos, até medonhos!

Alguns bisonhos foram meus desejos
na enormidade dos tantos castelos
que construí repletos de lampejos.

Desses almejos fiz-me um epicentro
sentindo a destruição dos elos
a esvair-se todo o ser por dentro.

5 comentários:

Elisa Zambenedetti disse...

Caro poeta, lindo, porém triste teu soneto que discorre com habilidade sobre as emoções humanas.
Beijos.

Djalma CMF disse...

Um soneto que emociona apesar do conteúdo tristonho e quanto as lágrimas, ela são demais necessárias em alguns momentos em que precisamos derramá-las. Parabéns poeta, abçs.

REGINA PESSOA disse...

Tanta lagrima derramada
Nos olhos não restou mais nada
Tanto sonhos projetados
E nenhum deles realizados

Encantada em conhecer teu Blog, lindamente triste teu soneto mas retrata com perfeição o que acontece com muitas pessoas, bjs de luz

Joel Costadelli disse...

reLindo Blog, adorei as poesias aqui escritas querido poeta, um abraço, voltarei. Joel Costadelli.
Blog - www.diadeverao.blogspot.com

Toninhobira disse...

Emocionante com uma carga de tristeza,mas que se reveste de uma beleza poetica neste soento perfeito.Vale a inspiração que faz a gente embarcar nesta viagem do ser.
Meu abraço de paz e luz.