segunda-feira, 9 de setembro de 2013

DESPEDIDA (Carlos Celso Uchoa Cavalcante=29/agosto/2013)

DESPEDIDA

(Carlos Celso Uchoa Cavalcante=29/agosto/2013)


Um coração que envelhecido bate lento,
Talvez casando, fugitivo da cadência,
No esconderijo de um peito em sofrimento
Paira no tempo aguardando a iminência.

Essa que é inevitável realidade
Entre as tantas conjunturas de uma vida
Quando enfim atingimos alta idade
O nosso foco visa a cruel despedida.

Não quero ir, mas terei que ir um dia,
E nessa ida não levarei nostalgia
Porque dali os meus instintos se dissipam.

Talvez, quem sabe? Para aqueles que aqui ficam,
E que da minha convivência abdicam

Fique a saudade que eu deixar naquele dia.

Um comentário:

Lara Winter disse...

Bela poesia que inspira reflexão. Parabéns! Grande abraço.