quinta-feira, 27 de agosto de 2009

TRANSFORMAÇÃO

(Carlos Celso-CARCEL)

Já não ouço respingar
no meu quarto sobre o teto
a chuva que com afeto
um dia pude escutar.

Hoje sento no meu leito
muitas vezes pela noite
e sinto forte o açoite
bater dentro do meu peito.

Aquela imagem de outrora
que ornava minha mente
sem despedir foi embora.

Sonho de tanta beleza
se transformou de repente
em dor, angústia e tristeza.


(30/junho/2009)

Um comentário:

FLORA disse...

belissima!!!!!!!
obrigada